Uma breve palavra de uma educadora espiritualista



Como sou espiritualista e acredito muito nos anjos, qualquer caminho é caminho, desde que tenha coração.

Isso quer dizer , antes de qualquer outra coisa, a importância da base espiritual na formação de um ser.

Séculos antes dos psicólogos começarem a estudar as diferenças individuais entre as crianças, a Bíblia já destacava esse mesmo ponto.

Há um provérbio que diz o seguinte:

“Instrui o menino no caminho em que deve andar, e até quando envelhecer não se desviará dele”.

Qual seria esse caminho?

Seja qual for a sua religião, sua crença, doutrinas e dogmas, siga os caminhos do coração, da verdade, do amor incondicional.

Os anjos vão ser aqueles amigos que estarão em todas as horas ao lado de seus filhos...são aqueles amigos que estarão perto de seus filhos quando estiverem estudando ou fazendo provas.

Ensine seus filhos a chamarem seus anjos para passarem a noite juntos, contando segredos, pedindo opiniões.

Cabe também aos pais incentivar e alimentar a intuição das crianças.

A vida vai se incumbir de deixá-los menos intuitivos e mais concretos...

Se estivermos atentos, ensinando nossos filhos o livre arbítrio, dando a eles noção de responsabilidade pelas suas próprias vidas, pode ser que evitem deslizes e mantenham-se no caminho. Talvez possam passar por um período de rebelião e conflito, mas alguns anos depois voltarão para a verdade.

A palavra “caminho” é usada no capítulo 30 de Provérbios para se referir ao “Caminho da águia no céu, o caminho da cobra na rocha, o caminho do navio no meio do mar, e o caminho do homem com uma viagem.v18/19”.

O caminho a que estou me referindo é uma única e espontânea direção de estilo.

Devemos, em outras palavras, pais e educadores, descobrir as aptidões, as habilidades e o potencial de nossos filhos, e ajudá-los a seguir na direção para a qual essas qualidades apontam.

Não devemos tomar criança mais tranquila e tentar transformá-la em “borboleta social”, extrovertida, com a vida de “festa”.

Não devemos transformar uma criança barulhenta e agressiva em uma pessoa quieta e toda certinha.

Com o tempo, com a criação positiva e a experiência do amadurecimento, todas essas crianças talvez caminhem na direção que gostaríamos.

Mas nossa meta deve ser: compreender seu estilo e ajudá-las a sintonizá-las na direção correta, do bem e da luz.

Da verdadeira manifestação do eu (Deus).

Se for necessário aparar algumas arestas, que assim seja...



Post escrito pela psicopedagoga e arte-educadora Maria Tereza Pereira de Almeida que é especialista em auxiliar crianças com dificuldades na aprendizagem, principalmente na alfabetização.

whatsapp (11) 97358 4767

http://apoiopsicopedagogicoparapaisemestres.blogspot.com.br


www.insightpsicopedagogia.com.br

16 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo